Google+ Followers

sábado, 29 de setembro de 2012

Pastor Alemão


Origem
Suas origens remontam ao período paleolítico, quando os homens, em suas caçadas, eram acompanhados por matilhas selvagens. No período neolítico, com a criação de ovelhas, os povos que habitavam a atual Alemanha precisavam de um cão forte e rápido para proteger os rebanhos. Durante 3 mil anos os alemães foram aprimorando esses cães de pastoreio a cada geração e, em 1882 houve a seleção definitiva e reconhecida de pastores alemães. É um bom cão de guarda, muito inteligente e de fácil adestramento.


Aparência
É um cão de porte grande, musculoso, muito forte e de constituição física sólida. As cores são preto com marcas marrom-avermelhadas, preto ou cinza. Medem aproximadamente de 60 a 65cm, sendo que as fêmeas são um pouco menores. A pelagem é curta, densa, reta e áspera. A cauda é caída fazendo uma ligeira curva para cima.

Saúde
Trata-se de um cão muito forte, mas... como todo cão de grande porte, o pastor alemão está sujeito à displasia coxo-femural. Alguns exemplares podem apresentar epilepsia hereditária que pode aparecer por volta dos três ou quatro anos de idade. Outro problema que pode ocorrer com essa raça é o crescimento irregular dos vasos sanguíneos dentro da córnea, o que pode levar à cegueira.


Curiosidades
O pastor alemão foi usado pelos alemães nas duas guerras mundiais com cães de alarme e como mensageiros. Ganharam o apelido de “el diablo” (“o diabo” em português). Por isso mesmo – e injustamente – foi odiado por ingleses e franceses por um bom tempo e até proibido de entrar em alguns países. Teve seu nome trocado para pastor alsaciano, para que não lembrasse os tempos de guerra contra os alemães. Bobagens do ser humano que põe a culpa de seus erros num animal tão nobre.

Nenhum comentário:

Postar um comentário